Olá amigos e clientes, vejam só que matéria interessante separamos para vocês conferirem com a gente hoje, imagine só morar em um apartamen...

Com 10m2, menor apartamento do país custa R$ 100 mil

Olá amigos e clientes, vejam só que matéria interessante separamos para vocês conferirem com a gente hoje, imagine só morar em um apartamento de 10m², não, você não leu errado, são 10m² mesmo, esta é a ideia do empreendimento lançado pela construtora Vitacon, nesta terça-feira (15), em São Paulo. O empreendimento conta com 72 apartamentos de apenas 10 metros quadrados. Os preços partem de 99 mil reais, ou seja, quase 10 mil reais por metro quadrado. A matéria saiu no site da Veja.com, confira:
De acordo com a construtora, trata-se do menor apartamento da América Latina. A planta prevê espaço para banheiro, sofá-cama, TV e um guarda-roupa, além de uma pequena bancada com uma pia e um cooktop. Por causa do tamanho, exigirá uma mobília adaptada. A mesa, por exemplo, terá que ser dobrável e não há espaço para cozinha.
O empreendimento, chamado de Nova Higienópolis, ficará na rua das Palmeiras, próximo ao centro de São Paulo. Embora o nome do empreendimento faça referência ao bairro nobre de Higienópolis, ele fica localizado na Vila Buarque, onde o valor do metro quadrado, segundo o site Agente Imóvel, é de 7.539 reais.
O empreendimento terá ainda outras 39 unidades maiores (até 77 metros quadrados). O prédio disponibilizará cozinha, utensílios e lavanderia para compartilhamento, bicicletas, academia e fechadura biométrica.
A Vitacon já construiu 42 prédios em São Paulo, com apartamentos de 15 metros quadrados, em média.

fonte: Veja.com

Esta  sala de estar  em  Toronto , no  Canadá , assinada pelo arquiteto  Brad Abbot  e pelo designer de interiores  Jodie Rosen , é cheia d...

Sala de estar cheia de contrastes


Esta sala de estar em Toronto, no Canadá, assinada pelo arquiteto Brad Abbot e pelo designer de interiores Jodie Rosen, é cheia de contrastes. A moradora queria um lugar colorido e agradável, tanto para receber convidados e conversar como para seus filhos brincarem.



O cômodo possui grandes janelas que permitem a entrada de luz natural abundante. Por isso, os designers arriscaram numa mobília mais escura e marcante, com sofás azul cobalto e almofadas cor-de-rosaEstampas diferentes nos tecidos das poltronas formam uma composição descontraída.


cinza predomina no ambiente, e está presente na lareira de porcelana, que também serve de suporte para a TV, e nos armários. Mas o destaque é a estantegeometrica. Os livros foram organizados por cor, e combinam com o visual divertido da sala.

Fonte: CASA CLAUDIA

A moradora desta casa em  Dallas , nos  Estados Unidos , pediu à designer  Tracy Martin Taylor,  do escritório  Eleven 11 Design , uma  sa...

Sala de jantar moderna e multifuncional



A moradora desta casa em Dallas, nos Estados Unidos, pediu à designer Tracy Martin Taylor, do escritório Eleven 11 Design, uma sala de jantar divertida que também funcionasse como espaço de estudo e criação para seus filhos. Por isso, Taylor optou por uma decoração descontraída com muitos elementos modernos. As paredes foram pintadas com azul escuro, e o gesso utilizado como divisória entre a cozinha e a sala foi preenchido com um papel de parede estampado com tampas de garrafas vitange coloridas.


Os armários brancos guardam relíquias de família, herdadas dos avós da cliente. Um tapete, também com cores alegres e que combinam com a padronagem no gesso, foi colocado sob a mesa para quebrar os tons neutros do ambiente, como o marrom do piso e do tampo de madeira. A foto de uma coruja branca da galeria de arte Art and Method contrasta com o azul, e um lustre dourado finaliza o décor com personalidade.

FONTE: CASA.ABRIL.COM.BR

Para receber o segundo filho, os moradores deste apartamento em Curitiba chamaram a arquiteta  Fernanda Borio  para reformar o quartinho. ...

Quarto de bebê com iluminação aconchegante



Para receber o segundo filho, os moradores deste apartamento em Curitiba chamaram a arquiteta Fernanda Borio para reformar o quartinho. A ideia era mudar a cara do espaço, mas sem mexer muito na marcenaria existente. O painel que serve de fundo para o berço, por exemplo, foi executado por cima da marcenaria, para trazer mais vida ao espaço.


Mesmo mantendo parte dos revestimentos e móveis, o ambiente ganhou cara nova, já que cortinas, tapete e itens de decoração novos foram adicionados para trazer mais aconchego e personalidade ao quarto.

As duas luminárias laterais ao painel criam uma luz intimista e proporcionam maior conforto pra a mãe e para o bebê. O contraste entre o painel 3D, que é um item bastante moderno e uma tendência no décor, com os móveis clássicos dão um charme ao espaço.


A saída para personalizar o décor deste escritório foi criar um  acabamento exclusivo com lambe-lambes  ( Gráfica Fidalga ). As artes fora...

Cantinho de estudos com parede customizada



A saída para personalizar o décor deste escritório foi criar um acabamento exclusivo com lambe-lambes (Gráfica Fidalga). As artes foram sobrepostas sem muito critério, apenas utilizando a imaginação e gosto pessoal. A cadeira e o pendente em tons de alto contraste compõem bem com o painel de lambes. Os móveis são do antiquário Thomaz Saavedra, o pendente Caravaggio (Scandinavia Designs) e os vasos do Studio Heloisa Galvão (iBacana).

Fonte: CASA.abril.com.br

Construído em um edifício do século XII em Paris, este  estúdio  de 19 metros quadrados ganhou um novo projeto, assinado em conjunto pelos ...

Estúdio de 19 m² ganha espaço com projeto funcional

Construído em um edifício do século XII em Paris, este estúdio de 19 metros quadrados ganhou um novo projeto, assinado em conjunto pelos escritórios CR2 Arquitetura e FGMF Arquitetos. A reforma resultou em uma casa mais funcional e prática, necessária em um espaço com metragem tão limitada.
O estúdio abriga os proprietários nas suas frequentes visitas à cidade e, quando não ocupado por eles, é alugado para turistas que buscam uma experiência menos convencional para conhecer a cidade. Por isso, o projeto foi pensado para suprir as duas necessidades de uso com uma decoração funcional e prática, mas também autêntica.
“A ideia era tornar o estúdio atrativo e, para isso, ele precisava ser prático, econômico e, de certo modo, neutro, capaz de se adequar a diferentes usuários”, explica a arquiteta Clara Reynaldo, da CR2 Arquitetura.


Entre as soluções adotadas para otimizar o espaço, a cozinha, que antes estava dentro de um armário, ficou completamente aberta e funcional. O antigo armário com portas deu lugar a uma estante aberta na cor cinza com poucos volumes fechados na cor branca: uma escrivaninha, armário para cabides e gavetões para roupa de cama.


A escolha dos móveis foi pensada de forma estratégica para reduzir o número deles ao mínimo, por isso, os arquitetos optaram por modelos compactos e versáteis. “Tudo se move, se transforma de alguma forma. Apenas o banheiro permanece fixo”, explica Lourenço Gimenes, do FGMF Arquitetos.


fonte: CASA

Ano-novo, casa nova. Ou, quem sabe, a realização do sonho da compra do primeiro imóvel. Após um 2016 marcado pelo aprofundamento da crise ec...

Boa hora para comprar imóvel: preços devem cair pelo 3º ano seguido

Ano-novo, casa nova. Ou, quem sabe, a realização do sonho da compra do primeiro imóvel. Após um 2016 marcado pelo aprofundamento da crise econômica, os consumidores deverão encontrar em 2017 um ano um pouco melhor. Inclusive para a aquisição de um bem durável, como um apartamento. Em decorrência de uma demanda reprimida, os preços de imóveis deverão registrar, pelo terceiro ano consecutivo, queda real – ou seja, descontada a inflação.
Resultado de imagem para Boa hora para comprar imóvel
A expectativa por si só é positiva para quem deseja fazer a aquisição com o preço em baixa. No entanto, é importante ficar atento às sinalizações de recuperação que o mercado imobiliário pode apresentar ainda em 2017. A depender de uma reação da economia e da melhora de fundamentos para consumo, como crédito e mercado de trabalho, além da perspectiva de desaceleração do volume de unidades residenciais em estoque no país, os valores do metro quadrado (m²) devem deixar de cair, com o reaquecimento do mercado imobiliário.
Por isso, o atual cenário pode ser oportuno para a compra de um imóvel. Principalmente, se o consumidor tiver boa parte do dinheiro necessário para dar a entrada, avalia o economista Roberto Ellery, professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB). “Para quem está com o dinheiro na mão, com valor de entrada alto e razoável, o momento atual pode ser bom. Em condições para negociar bem e com descontos. Para quem precisar se endividar demais, no entanto, recomendo cautela. Talvez seja melhor esperar”, avalia.

Em caso de a crise política não influenciar a recuperação da economia, Ellery prevê para 2017 um ano melhor do que o anterior. “A não ser que tenha uma reversão gigantesca da crise. Mas não espero que isso aconteça. A economia vai começar a sair do buraco e o mercado imobiliário irá junto. Ele tem um pouco essa característica. Apanha demais em uma recessão, mas, quando vem uma recuperação da atividade, acompanha junto”, acrescenta.

A inflação, que tanto castigou o orçamento das famílias nos últimos anos, vai manter uma curva de desaceleração ao longo de 2017. E isso abrirá espaço para que o Banco Central (BC) reduza a taxa básica de juros (Selic) durante o ano. “Favorece a negociação de empréstimos no futuro. Logo, é um fator importante para quem vai se endividar. Uma diferença de 1% ou 2% de juros em 20 anos pode render algo significativo”, destaca Ellery, ressaltando que, na prática, a redução dos juros na economia significa botar mais dinheiro no mercado. “O crédito voltará a aparecer”, analisa.

Financiamento


Todo o processo de redução dos juros é um alento não apenas para o destravamento de crédito para consumo das famílias. Mas também para as empresas. Com menos custo para financiamentos, empresários poderão dar início a uma trajetória de retomada dos investimentos. A reação pode ganhar força no segundo semestre, quando analistas preveem uma melhora do mercado de trabalho, com as contratações superando as admissões ao fim do ano em até 400 mil postos formais.

Embora os resultados previstos de emprego sejam tímidos para absorver os cerca de 12,1 milhões de desempregados, a reação no mercado de trabalho pode transmitir maior segurança no emprego. Tranquilidade fundamental para uma retomada da confiança. Só mais confiantes as pessoas poderão assumir dívidas, sobretudo as de longo prazo, como a da compra de um imóvel.

A reação no mercado de trabalho, por sinal, virá em um momento de desaceleração da oferta de unidades residenciais em alguns centros urbanos, como o Distrito Federal. Para Ellery, começou um processo de redução de oferta que vai levar ao equilíbrio de preços. “Não há mais tanto espaço para queda de custos dos imóveis em Brasília. E, no resto do país, a situação não deve ser muito diferente”, avalia.
Em novembro, segundo dados da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF), havia 8,1 mil unidades novas em oferta. A quantidade é 19% menor do que em 2015. Do total, naquele mês, cerca de 4,4 mil eram de incorporadores e administradores imobiliários associados à entidade. Em janeiro, eram 4.788. Ou seja, com menos imóveis para venda, há uma tendência natural de valorização dos preços.

No DF, o valor médio de apartamentos novos de dois quartos fica entre R$ 290 mil e R$ 330 mil, explica o vice-presidente da Ademi-DF, Eduardo Aroeira. Ele admite que, por hora, esse tipo de imóvel não apresenta valorização. “Há uma estabilidade. Mas pode aumentar porque esse piso de oferta está sendo ultrapassado. A oferta total vai cair para abaixo de 8 mil unidades e a tendência é valorização”, destaca.

O volume de negociações realizadas no período – um indicador de demanda – aumentou. O Índice de Velocidade de Vendas (IVV) da Ademi-DF saltou de 3,6% para 5,8%. “Mantida a velocidade em torno de 5%, significa que os empreendimentos serão vendidos em 24 meses, justamente o prazo de construção. Isso indica que as unidades na planta serão vendidas totalmente durante a obra”, diz Aroeira. O volume de lançamentos, em contrapartida, não está alto.

Em 2016, foram lançados 12 empreendimentos. Para 2017, a expectativa gira em torno desse mesmo número. Isso significa que, se por um lado a oferta tende a reduzir, por outro, pode levar tempo para que o estoque seja reposto. Mais um motivo que reforça a ideia de valorização. “Caso não vejamos lançamentos na oferta necessária, acreditamos que a tendência dos imóveis é valorizar”, conclui Aroeira.

Oportunidade


Não são apenas os imóveis novos que dão sinais de recuperação dos preços na capital federal. Os de terceiros, também. E a explicação para o movimento não é diferente. Em novembro de 2016, haviam 31,4 mil unidades para venda, de acordo com dados do Sindicato de Habitação do DF (Secovi-DF). O resultado ainda é ligeiramente maior do que o observado em janeiro, mas mantém uma trajetória de desaceleração. Pelo lado da demanda, o Índice Imobiliário de Comercialização da entidade mostrou a segunda alta seguida, após quase um ano consecutivo de queda.

Ou seja, com uma redução na oferta e o sinal de um início de retomada da demanda, o presidente do Secovi-DF, Carlos Hiram Bentes David, acredita que o cenário traçado é oportuno para que os consumidores desengavetem o desejo da compra do imóvel próprio e garantam o bem, aproveitando o patamar ainda baixo de preços. “O volume de oferta vem reduzindo, então, estamos tendo um certo equilíbrio dos estoques. Haverá uma leve recuperação dos preços. Nada abrupta, mas constante”, analisa. Entre os imóveis de dois quartos – a maioria na capital federal –, por exemplo, a mediana de preços subiu em novembro para R$ 326,9 mil. É o maior valor em, pelo menos, um ano.

Seleção cuidadosa


Ainda que a oferta de imóveis esteja em desaceleração, há pelo menos mais de 30 mil imóveis entre novos e usados no mercado. Por isso, não é preciso desespero para avaliar a casa ou o apartamento dos sonhos. Os especialistas recomendam uma seleção cuidadosa. É o que tem feito a servidora pública Cecília Vieira da Cruz, 34 anos, que organizou um processo seletivo para filtrar o imóvel que planeja comprar. “Tem muitas opções e não estou com pressa. Vou comparar com calma para não tomar nenhuma decisão precipitada”, afirma ela, que está poupando recursos até o momento ideal para dar uma boa entrada.

FONTE TOTAL: Correio Braziliense